Este blog é uma reunião de textos exclusivamente autorais. Para conhecer mais de mim, dividir sons e sabores poéticos, musicais, cinematográficos, e tantos outros cheiros mais além dos meus, venha tomar um expresso esparramado nas almofadas fofas do meu outro blog, o Abundante-mente. Te espero lá com as velas acesas.

28 de outubro de 2009

Primeiro amor

No meio de um dia turbulento, cheio de afazeres e dores, entrou na fila do ônibus, naquele ponto final infernal. Fazia um calor escaldante, e a chuva fina molhava seus pés sempre calçados em sandálias baixas de tiras. Vivia, nesses últimos dias, com os pés úmidos e sujos de lama. Vivia imunda.
Nunca se aborreceu muito com os pingos, porque nasceu avessa à guarda chuvas - melhor deixar que a água regasse seus dias, era o que sempre pensava. Andava árida. E estéril. De uma histeria heróica, que se mantinha até em dias de paz. Que as gotas lavassem seus ânimos e limpassem seus medos - ansiava aflita, a cada nódoa na roupa.
Em pé no ônibus lotado, atravessava a cidade de ponta a ponta, todos os dias, incansável. Nunca pensou que talvez não fosse seu destino cumprir essa cor em rotina - eram brancos seus hojes. Seguia no mesmo ritmo inalterado o cronograma enfadonho a que se destinou, sem ao menos desviar o olhar. Ou os pensamentos vazios.
No meio do esmagador engarrafamento da Avenida Brasil, às sete horas da noite - horário de verão - sentiu. Afim de confundir seus sonhos, cheirou a manga suada da camisa que pendia do braço levantado, mas, assim que levantou o rosto marcado, ele veio - avassalador. Aquele cheiro inconfundível. Aquele cheiro do primeiro amor.
Fechou os olhos e permitiu que as lembranças - uma a uma - dançassem sob seus cílios, envolvidas pelo odor estonteante da juventude. Se viu formada, com uma boa casa e com as contas em dia. Com sorriso fácil e o coração tranquilo.
Puxou a corda - que gritou estridente - e abrindo espaço entre o mar de gente com seus braços enormes, alcançou o mundo. Debaixo da chuva rala gargalhava enlouquecida, e correndo - com os passos mais largos que já deu na vida - foi atrás de si mesma e se encontrou.
Ela, o seu primeiro amor.

Sylvia Araujo 

4 comentários:

Shoni chan disse...

Precisava dizer, que a menina prodígio continua encantando. E muito!

Alsan Matos disse...

De coração, parabéns pelos textos. Você é muito culta, sem ser arrogante. Vou ler mais você, quem sabe não aprendo um bocadinho, né? Sinto orgulho por conhecer você. Beijão.

Sylvia Araujo disse...

Ô, estrelinha... prodígio é você, que foi escalada estrela e, mesmo sem saber, almeja o posto de Sol.
Não pare de brilhar nunca. Você reluz!

Te amo


Querido amigo,
Fico feliz que tenha repensado seus rótulos, mesmo que eu ainda caiba neles. E não é elogio que eu quero (apesar deles sempre me fazerem bem), mas prazer. O grande e feliz prazer de seguir em frente.
Obrigada por vir comigo.

Beijoca

Nádia disse...

Escreves lindamente... venho aqui mais vezes, certamente.


Beijoca .