Este blog é uma reunião de textos exclusivamente autorais. Para conhecer mais de mim, dividir sons e sabores poéticos, musicais, cinematográficos, e tantos outros cheiros mais além dos meus, venha tomar um expresso esparramado nas almofadas fofas do meu outro blog, o Abundante-mente. Te espero lá com as velas acesas.

7 de abril de 2010

Concomitantes

Num dia de forte tempestade, o Rio de Janeiro parou.
Maria, ansiosa, aproveitou a água pra lavar a área.
Bernardo, tranquilo, jogou playstation o dia inteiro.
Joana, amável, ligou pros amigos que não falava há tempos.
Hugo, estressado, brigou com o motorista do ônibus.
Fernanda, magoada, chorou pelo abandono cruel.
Cláudio, feliz, abraçou o primogênito saudável.
Marta, desesperada, perdeu tudo no desabamento.
Lucas, entusiasmado, sorriu com o presente de aniversário.
Ana, alcoólatra, bebeu uma garrafa de whisky.
Sérgio, armado, foi preso em flagrante na hora da fuga.
Solange, ferida, desabou com o soco na costela.
Karen, apaixonada, recebeu um buquê de rosas chá.
Oto, confuso, se casou aos 25 no cartório.
Helena, abandonada, sentiu fome e frio.
José, realizado, publicou um livro de contos.
Antônia, carente, adotou um siamês castrado.
Diego, inconformado, enterrou o irmão mais novo.
Cândida, cinéfila, viu três filmes do Almodóvar.
Guto, esperançoso, ofereceu o dente de leite pra fada.
Chica, ciumenta, esfaqueou o marido infiel.
Wellington, recém nascido, morreu soterrado.
Carolina, vazia - nesse dia cinza de chuva - voou do décimo andar porque não suportava saber que tanta gente sofria e tanta gente amava, enquanto ela simplesmente não sentia nada.

Sylvia Araujo

11 comentários:

Sabiana disse...

Genial!!!!
A dor de nada sentir é maior que qualquer dor que possa existir.

Adorei, escritora!

Cynthia Lopes disse...

Sylvia, uma crônica de muitas vidas, sublinhadas por uma só. Muito bom,
bjs

Elis disse...

Nossa, expressivo, eu diria!
Belo texto!
Abraço
Elis

Azul disse...

Belo post...
Beijo.

Cris França disse...

são as muitas faces de um mesmo acontecimento que afeta a todos, mas não de forma igual
muito inteligente.

bjs

Flávia Diniz. disse...

Muito bom.

Ótimo final de semana


Beijos, querida.

Macaires disse...

É, o vazio dói mais que qualquer outra dor!

Um beijo!

lusca fusca disse...

Lindo teu blog.Lindos textos. Linda alma guria

Minha Vida disse...

Não sentir nada... Profundo. Teve um tempo que estava assim, ápatica para tudo e todos e como dói procurar um sentimento e não achar.
"Socorro alguém me dê um coração que esse já não bate e nem apanha".

Bárbara disse...

já vi que encontrei um lugar gostoso e inteligente para ler e pensar na vida. Maravilhoso.

Jessica Jin disse...

Muito bom seu texto. Totalmente lindo de se ler.

Parabéns!